“Bom crioulo”.

            “Bom crioulo”

Arthur Virmond de Lacerda Neto

2010.

Intitula-se “Bom crioulo” o romance do cearense Adolfo Caminha,  cujo tema consiste na relação amorosa e sexual havida entre o protagonista,  Amaro, Bom crioulo de alcunha, e o jovem Aleixo, “um belo marinheirito de olhos azuis, muito querido por todos e de quem diziam-se cousas”.

Embarcadiços ambos, conhecem-se a bordo, onde Amaro interessa-se por Aleixo e desenvolve por ele uma relação de proteção que se transforma em um vínculo de amor e em convivência marital, ao passarem a coabitar em um quarto de pensão, no Rio de Janeiro.

Singelíssimo e destituído de lances significativos, o entrecho do livro  termina com o assassínio de Aleixo por Amaro, em um rompante de ciúmes deste, por haver aquele se afeiçoado a uma mulher.

Para mais da relação afetiva, o livro descreve, explicitamente, a homossexualidade do protagonista, como no passo em que ele sente-se dominado pelo “desejo de unir-se ao marujo como se ele fora do outro sexo, de possui-lo, de tê-lo junto de si, de amá-lo, de gozá-lo!”.

Em uma fase inicial, Amaro hesita em satisfazer ao seu  desejo. Pondera que, sendo marinheiro de baixa graduação, “outros de categoria superior praticavam quase todas as noites ali mesmo sobre o convés”, o ato de “carnalidade grega” porque ansiava e que, afinal, satisfez à bordo, o que o levou a compreender “nitidamente que só no homem, no próprio homem, ele podia encontrar aquilo que debalde procurara nas mulheres”.

Descoberto o que lhe gratificava os sentidos, Bom crioulo “não se contentava em possui-lo [a Aleixo] a qualquer hora do dia ou da noite, queria muito mais, obrigava-o a excessos, fazia dele um escravo, uma “mulher à toa”, propondo quanta extravagância lhe vinha à imaginação”.

Certa feita, Aleixo suplicou-lhe: “Basta!”, ao que Amaro replicou-lhe: “Não, não! Um bocadinho mais…”

Publicado em 1895, em um tempo em que a sexualidade correspondia a um tabu generalizado; em que, acerca dela, abundavam a incompreensão e o desconhecimento, na maioria das pessoas e em que a homofobia existia em grau elevado, a concepção,  a redação e a publicação de “Bom crioulo” equivaleram a atos de desassombro do autor, que não temeu as reações adversas do público leitor:  causaram indignação as cenas de homossexualidade explícita e, por décadas, foi livro proibido em bibliotecas escolares e públicas. Consta que, ao tempo, a Armada em peso leu-o e revoltou-se com as suas descrições explícitas e, certamente, com as referências à homossexualidade como realidade comum nos navios.

Durante o Estado Novo (1937-1945), a Marinha solicitou ao governo que obstasse a distribuição da segunda edição do livro, cujos exemplares recolheram-se, sob a alegação, inteiramente falsa, de tratar-se de obra comunista.

Nos anos de 1950, a crítica literária Lúcia Miguel Pereira acusava Adolfo Caminha de mau gosto, por tratar de um “tema abjeto” com minúcias desnecessárias.

Transcorreram oitenta e cinco anos até que, na década 80, surgissem novas edições e traduções suas nos Estados Unidos, na Alemanha, na França e no México. Mesmo assim, uma resenha dele, da autoria Léo Ribeiro, foi recusada, em 1983, pelo Jornal da Tarde (de S. Paulo), porque o tema desagradava aos seus proprietários.

Republicado em 2008 e 2009, no Brasil, deixou de representar uma raridade bibliográfica e já não escadandaliza como antanho. No futuro, não escandalizará de todo, quando as pessoas houverem aprendido a entender a natureza humana e a respeitar as diversas formas como se manifestam os seus semelhantes, em relação à sexualidade e não só. Assim, a reação do público leitor a “Bom crioulo” serve de indicador do estado da mentalidade acerca do uranismo e da liberdade sexual: se, no passado, e por décadas, sofreu reprovação e ocultamento, equivalerá a índice de maturidade da psicologia coletiva a sua aceitação como descrição de uma parte dos impulsos e dos sentimentos normais e naturais das pessoas.

Nos últimos anos, Nélson de Carvalho publicou “O terceiro travesseiro”, narrativa verídica de uma relação homoafetiva, emocionante por vezes, porém pobre, mesmo medíocre, na sua realização literária. Com um enredo comparativamente simples e com um volume de texto menor, Adolfo Caminha produziu uma obra superior àquela.

 

 

 

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Adolfo Caminha, Bom crioulo., Homossexualidade, Literatura.. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s