Quero pica!

Quero pica !

Abril de 2014.

– Quero pica!, disse um rapaz, meu amigo.

-É amor que fica!, respondi-lhe.

Contei este diálogo a várias pessoas, em Curitiba, em abril de 2014: os jovens de classe média riram, inclusivamente uma moça; três de classe baixa (duas jovens e um de meia idade) não lhe acharam graça nenhuma e fitaram-me com má cara.

Serve como índice de mentalidades: mais natural, na classe média, em relação à sexualidade e malgrado o calão; hostil à liberdade de costumes em relação à sexualidade, na classe sub-média, se bem diagnostiquei a reação de umas e outras.

Os da classe média atentaram à graça humana da resposta e, talvez, à rima, e não a associaram a mim; os da classe sub-média escandalizaram-se, talvez, intimamente, com o seu conteúdo homossexual e talvez hajam-na relacionado comigo. Aos primeiros, pouco se lhes deu se o amor que ficava era meu ou se a resposta foi puramente poética (como o foi). Nos segundos, funcionou o modelo mental em que, consciente ou inconscientemente, julgaram o autor da primeira frase, o da segunda, ou ambos, e os desaprovaram.

Para a classe média jovem, a homossexualidade não é problemática; para a sub-média, é-o.

Como dizia A. Comte, as pessoas são desigualmente contemporâneas: alguns estão em 2014, quero dizer, aceitam os costumes deste tempo e a liberdade de ser e de viver. Outros, vivem trinta anos atrás. Coincidem o arcaísmo mental e o pertencimento à classe baixa, em que baixa equivale à condição econômica, à sub-instrução e, no Brasil, freqüentemente, ao evangelismo.

Bendita classe média jovem, de mente aberta, instruída, educada e laica.

Fora poeta e empregaria a rima para versejar. Fora tosco e riria da conotação sexual do chiste. Mas contei-o pela graça da resposta e pela rima; de longe, apenas de longe, lembrei-me do seu sentido genesíaco, com indiferença. Algumas pessoas só pensam em sexo: foram, possivelmente, as que me olharam torto, porque, na sua tacanhice, foram incapazes de perceber o divertido do diálogo.

Não faltará algum hipócrita ou tacanho ou reprimido ou evangélico que me tache de desbocado ou que se escandalize com a primeira parte do diálogo.

A leitura de “Liberdade sem medo” (de A.S.Neill) levou-me à conclusão de que pessoa, família, povo desbocado em relação à sexualidade, é pessoa, família, povo reprimido sexualmente, nas suas práticas e linguajar. Não podendo nominar abertamente as partes do corpo e os comportamentos eróticos, criam-se sucedâneos lingüísticos que os designem, que pertencem ao calão e à gíria. Quanto mais rico o calão sexual, tanto mais reprimidos sexualmente os seus falantes.

Variantes: amor de pica é amor que fica; amor de pica, quando bate, fica.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Cenas da vida., Língua portuguesa, Psicologia, Sexualidade.. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Quero pica!

  1. CU= orifício da agulha. PORRA= clava, maça, arma de contusão. CARALHO= parte superior do mastaréu, de onde o marinheiro avistava ao longe. PICA= lança, geofagia (comer terra por ter lombrigas). BOCETA= escrínio, caixa de jóias. PUNHETA: pessoa desprovida da mão. BOQUETE (boquête): boca pequena; orifício, buraco.
    Ohhhh! = expressão de pasmo, estupefacção e surpresa de quem acabou de ler o que redatei acima e descobriu os significados não chulos do que pensava ser somente chulo.
    kkkk = expressão de divertimento e símbolo de alguma risada, sem escárnio, minha, perante a reação de quem teve pasmo, estupefacção e surpresa de quem acabou de ler o que redatei acima.

    Expliquei, oralmente, que quirite derivaria, talvez, de “quiris”, ou seja, pica. Pica, ou seja, lança. De pica, picadeiro e picador. Notei sorrisos maliciosos; disse nada.
    Usar as palavras nos seus sentidos lídimos e não chulos contribui para o enriquecimento vocabular das pessoas, para a designaçaõ dos objetos pelos nomes que lhes correspondem e para dissociar as palavras do calão. Em pica há polissemia (em Portugal, é injeção; também é sinônimo de geofagia, comer terra).
    Outro: bicha é o nome correto do que o francês chama de “file indienne”, fila indiana. O nome é bicha. Bicha, e não fila.
    Outro: não é greve; greve, do francês “grève”, era a ilha do rio Sena em que os operários em parede se aglomeravam. Em português é parede e não greve.
    Outra: acessar é porcaria. Porcaria. Em bom português, é aceder a. Aceder a.
    Fale bem, fale com qualidade.
    Não tenho pudores em relação às palavras. Seja que palavra for, são-me objetos de exame filológico e semântico. Pica, porra, cu, caralho, boceta, são palavras dotadas de sentido não chulo e que adquiriram polissemia chula. Não me inibo de expor às pessoas o que elas significam, em sentido original e de compará-lo com o chulo.
    E já passou o tempo do puritanismo em que, por exemplo, bacana era palavra proibida no colégio de freiras, porque lembrava Baco…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s