Homossexualidade e cristianismo

Homossexualidade e cristianismo

                                                           4.IV.2004                             

                                              

 

 

Não ligueis nunca ao que o vulgo opina. O vulgo é toda esta multidão que vos rodeia[…]Observai-os e notareis que este vulgo não sabe nunca porque diz o que diz, não prova as suas opiniões, julga por paixão, não por razão. (José Ortega y Gasset, Para os meninos espanhóis).

                                              

 

            A quem desejar elucidar-se quanto a homossexualidade, recomendo “Corydon”, de André Gide, e “Homossexualidade: uma história”, de Colin Spencer, de cujas leituras, altamente esclarecedoras, defluem três conclusões:

 1ª- a homossexualidade corresponde a uma constante da história em todos os povos e, portanto, encarna uma realidade normal e natural;  

  2ª- qualquer entendimento diverso deste configura  um preconceito propriamente dito, ou seja,  um estigma instalado no sistema psicológico das pessoas,  que as leva a valorá-la negativamente e a julgá-la depreciativamente, sem que elas hajam-na, minimamente que seja, examinado sob um ponto de vista histórico, biológico, social ou qualquer outro, que lhes permita apreciá-la com esclarecimento, ao invés de com as idéias preconcebidas em circulação na sociedade e  que a generalidade das pessoas adota por imitação, sem que nem imitadores nem imitados entendam, a sério, o fenômeno em questão. Por dispensarem-se de se informar a respeito, de modo a capacitarem-se ao julgamento e à censura (ou a qualquer outro juízo),  julgam e censuram o que desconhecem: o preconceito anti-homossexual equivale a uma forma de ignorância.

3ª-  o preconceito anti-homossexual derivou da influência do cristianismo: desde a mais remota antigüidade e nos mais variados povos da Terra, considerou-se o homossexualismo  como normal e natural, até que o cristianismo, com a sua obsessão anti-sexual, invertesse tal entendimento, que passou a prevalecer onde ele se instalou. Mesmo ele houve, em parte, de transigir com a homossexualidade, enquanto não a logrou demonizar de todo: até o século XVI efetuaram-se milhares de casamentos cristãos de homens com homens ( “Homossexualidade: uma história”, editora Record, São Paulo, 1999, página 88).

                        Quem duvidar destas conclusões, que leia aqueles livros.

 Foi nefasto o cristianismo em matéria de sexualidade:

 1º- porque a converteu em assunto proibido, vale dizer, tabu, o que, de conseqüência, manteve as pessoas na ignorância a respeito, quando, ao inverso,  deve haver esclarecimento e informação;

2º-  porque a degradou à condição de fonte por excelência do pecado, a negar uma realidade natural do ser humano, que pode e deve educar-se como função biológica e máxime dignificar-se como expressão da afetividade. Não admira que a igreja católica, integrada por celibatários jungidos à castidade,  tão frisantemente associe a sexualidade com o pecado: privados (ao menos oficialmente) de vivê-la, pretendem os seus membros coibí-la no seu semelhante, quando seria perfeitamente normal que eles pudessem, oficialmente, dela desfrutar, o que certamente redundaria, de parte da igreja, em uma nova atitude, a de considerar a sexualidade como traço humano merecedor de apreço;

3º-  porque a reprime, negando o  inegável, ao invés de educar  para o seu exercício;

4º- porque atribui ao matrimônio um desiderato unicamente reprodutor e não afetivo, pelo que, nele, marido e mulher rebaixam-se à condição de macho e fêmea destinados a fornicar legitimamente, ao invés de se votarem um ao outro, em uma união de sentimentos e de destinos;

5º- porque repele a contra-concepção artificial, o que induz as famílias à proliferação, e, desta arte, em geral, à depreciação das condições de existência material dos seus integrantes: tanto menos conforto quanto mais filhos.

Contra natura, anti-natural e censurável não é a sexualidade, porém sim a doutrina cristã a respeito dela, origem, ao longo dos séculos, de ignorâncias, infelicidades e preconceitos.

Anúncios
Esse post foi publicado em Psicologia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s