“A república positivista”. Livro necessário.

          “A república positivista. Teoria e ação no pensamento político de Augusto Comte” (editora Juruá, 178 páginas), da minha autoria, mostra que o Positivismo corresponde a uma doutrina política de liberdades civis, políticas e de pensamento.

         Ele desfaz a mitologia, tipicamente brasileira, de que a “ditadura republicana” corresponde a um autoritarismo; mostra que ela é sinônimo de governo de liberdades. Se você pensa, porque sempre ouviu dizer assim, que o Positivismo é autoritário, que o regime militar de 64 era positivista, que ordem e progresso significam autoritarismo e capitalismo, você é mais uma vítima da mistificação pregada por certa esquerda e pela direita católica.

            Ele exibe  o papel altamente benéfico e progressista dos positivistas brasileiros, na constituição da nossa república; minudencia a influência dos positivistas na redação da constituição de 1891.

                A sua leitura é urgente para desmentir as asneiras que os mal informados e os critiqueiros difundem sobre ele. Ninguém mais, das áreas de História do Brasil, Sociologia, Ciência Política e Direito, pode privar-se dele.

               Adquira-o da editora, pela ligação abaixo:

http://www.jurua.com.br/shop_item.asp?id=10917

Nos textos de Gustavo Biscaia de Lacerda, este livro consta como da autoria de VIRMOND, A., errada e intencionalmente citado, com a omissão do hemistíquio “de Lacerda Neto”, omissão com a qual Gustavo obscurece-me a pessoa e o livro, e evita, no leitor, a percepção de haver outro Lacerda que se dedica ao Positivismo. Evita, também, a indagação possível, no leitor, sobre qual é o parentesco entre um e outro: ele é irmão, de pai e mãe, de Arthur Virmond de Lacerda Neto, de quem é irmão mais novo.

A mutilação do meu nome é intelectualmente desonesta, porquanto se destina a obscurecer a identificação correta de autor que ele cita; é academicamente errada, pois a forma correta de citá-lo é “LACERDA NETO, A. V.”; é moralmente condenável, pois visa a dissociá-lo de mim, a negar qualquer identificação entre ele e mim. Ela é fruto do ódio que ele me vota, para mais de se inspirar, provavelmente, em outros sentimentos subalternos.

Anúncios
Esse post foi publicado em História do direito, Positivismo de Augusto Comte. Bookmark o link permanente.

2 respostas para “A república positivista”. Livro necessário.

  1. Antonio Vinancio disse:

    Numa aula de Inglês, o professor explicava o dístico que se encontra na bandeira do Brasil: “A ordem deve ser imposta à maioria, que vive em condições sofríveis, e, à custa disso, se consegue o progresso de uma minoria.” Lendo superficialmente um livro de introdução à Sociologia, fiquei com a impressão de que o positivismo era uma filosofia conservadora. Averso ao caráter antiprogressista da sociedade feudal e insatisfeito com a anarquia ocasionada pela Revolução Francesa, o positivismo procurou formular uma ordem social que privilegiasse os interesses das classes dominantes do sistema capitalista, vale dizer, da burguesia. Propunha a ciência em favor dos industriais, sendo que a ciência, com suas verdades, exerceria uma função conservadora (em substituição ao clero) e a burguesia substituiria os senhores feudais… Seria essa a nova elite que estabeleceria os caminhos da nova sociedade. O livro era introdutório, tratou rapidamente de Saint-Simon, Auguste Comte e Emile Durkheim.

    • arthurlacerda disse:

      A explicação do professor de inglês é totalmente errada: ordem significa as condições de existência da sociedade, a sociedade em estado estático; progresso significa estas mesmas condições em atuação, em estado dinâmico; jamais o Positiivsmo pretendeu que deva se impor alguma ordem à maioria, para que a minoria prospere. Este professor é ignorante; propagou mentiras. É interpretação marxista e absolutamente falsa a de que o P. procurou privilegiar a burguesia, incrementar o capitalismo e manter desigualdades. O Positivismo adota como princípio a incorporação social do proletariado; é trabalhista; exerceu influência na criação da legislação do trabalho brasileiro; entende que o capital, sendo social nas suas origens, deve sê-lo nas suas aplicações; na Inglaterra, o positivista F. Harrison foi secretário-geral do Partido Trabalhista; a ciência deve ser usada em favor de todos, para o melhoramento das condições de existência das pessoas em geral, e não dos industriais. O que o professor de inglês e o tal livro dizem são mais exemplos da desinformação anti-positivista no Brasil: toneladas de mentiras e de distorções.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s