Arquivo da categoria: Estrangeirismos.

Estrangeirismos em itálicos.

Escrevei para a Folha de S. Paulo em agosto de 2020: “Bons dias.  É da regra da língua portuguesa que estrangeirismos sejam grafados entre aspas ou em itálicos, norma que as folhas brasileiras negligenciam, por preguiça, por ignorância, por desleixo, … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Não categorizado | Deixe um comentário

“Fake news” ou desinformação.

                                                                       Arthur Virmond de Lacerda Neto. 7.VI.2020.   Há meses, trivializou-se a locução “fake news”, que os media empregam para nomear a divulgação maciça e deliberadamente manipulada de informações falsas, engendradas intencionalmente com fins políticos. “Fake” é adjetivo de coisa: … Continuar lendo

Publicado em Desinformação., Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

“Impacto”, “impactar”, “chocado”.

NOVAS PALAVRAS ! SÃO MARAVILHOSAS ! Anos atrás, leram em inglês “impact” e fabricaram impacto e impactar, não no sentido original, em português, de colisão, choque, embate violento de massas sólidas e sim no de efeito, conseqüência. Atente em que … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

Impacto. Impactante.

  IMPACTO, IMPACTANTE. Os ledores de inglês e maus tradutores para o vernáculo leram “impact” e traduziram erradamente como impacto. “Impacto” existe em português: significa colisão, choque, encontro abrupto e violento de duas ou mais massas sólidas. Em inglês, “impact” … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

“Brainstorm” ?!

  Empresários, acadêmicos & não só dizem “maenstream”, “wishfull thinking”, “brainstorm” e outros. A cada vez em que leio ou escuto tais coisas, pergunto-me o que este pessoal tem na cabeça. Não tem o hábito de consultar diciionários, não tem … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

Estrangeirismos para quê ?

“Poster”, em inglês = cartaz, em Português. “Folder”, em inglês= prospecto, em Português. “Show”= espetáculo, concerto, apresentação, em Português. “Conteiner”= cofre-de-carga, em Português. O quê ?! Tu sabes em inglês e ignoras no teu idioma ? Tu sabes em inglês … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

Os estrangeirismos empobrecem o idioma.

OS ESTRANGEIRISMOS EMPOBRECEM O IDIOMA. Chamam-se de estrangeirismos ou perigrinismos as palavras ou locuções de origem estrangeira que circulam em dado idioma. Os de origem no francês chamam-se de galicismos; os de origem no inglês, de anglicismos. Sua característica é … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Vício de linguagem, Vernáculo. | Deixe um comentário

Para a Folha de S. Paulo

ESCREVI PARA A FOLHA DE SÃO PAULO em 6.VI.2020: “Boa noite. A Folha de hoje disse, em título: “…bate recorde”. Ora, “recorde” é má palavra, originária do inglês “record”. Temos “marca”, usável com o mesmo sentido, da mesma forma: “bater … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Folha de S. Paulo., Vício de linguagem | Deixe um comentário

“Testou positivo” não tem pé nem cabeça. “Mantenha distância social”. Que raio é isto ? “Lockdown” é “reclusão”.

“TESTOU POSITIVO” NÃO TEM PÉ NEM CABEÇA. O verbo “testar” é anglicismo, de “to test”. Em português de qualidade, elegante, de bom gosto: experimentar. Testar é experimentar; “positivo”, aí, quer dizer que o exame (o “teste”) detectou infecção, resultou positivo. … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Língua portuguesa, Vício de linguagem | Deixe um comentário

Americanismos no idioma.

Quinze anos atrás, os estrangeirismos (especificamente, os anglicismos) eram prega idiomática no Brasil: quem podia, empregava-os, a torto e a direito; muitas vezes a torto, ou seja, com impropriedade, sem saber o que dizia. Porém, o importante era meter na … Continuar lendo

Publicado em Estrangeirismos., Língua portuguesa. | Deixe um comentário